30 anos

Setembro 23, 2010

Tudo bem que este post está meio que muito atrasado, porque, em tese, deveria tê-lo escrito/postado no dia do meu aniversário mas, passados 2 meses e com a idade ainda martelando na minha cabeça, achei justo fazer algumas considerações.

Fazer 30 anos tem um quê de mágico e de mundano ao mesmo tempo, um quê de vitória e de derrota… Como tudo na vida, talvez.

Às vésperas do meu aniversário, entrei numa neura e eu mesma não estendi porque mas conforme os dias foram passando, acho que fui entendendo melhor.

Aos 30 anos, nos deparamos com o final do processo de desenvolvimento. Acho que nos próximos 10 anos, estarei nuam espécie de platô e em seguida, a decadência (posso estar errada e espero estar, mas é assim que me sinto hoje).

Fazer 30 anos tem a ver com o provável “auge” e a gente se pergunta se realmente está no auge ou como estaria aos 30 anos se tivesse feito escolhas diferentes.

Eu poderia ter me casado e hoje ter filhos.

Eu poderia ter escolhido outra profissão e consequentemente, outra vida.

Eu poderia ter continuado onde estava.

Eu poderia ter mudado de continente.

Eu poderia…

Impossível ter a resposta pra tantos questionamentos. O fato é que eu PODERIA, sim. Mas os rumos que tomei me levaram ao lugar onde estou e o que eu POSSO e o que eu QUERO, se misturaram de tal forma que não sei mais onde um começa e onde outro termina.

Pela primeira vez, consegui ver minha mãe, meus tios e as minhas pessoas amadas, envelhecendo e, talvez, preparando-se pra me deixar num período que não temos como precisar. Tudo isso enquanto eu mesma envelheço e amadureço e paro de culpar os outros pelas minhas próprias decisões que são tomadas todos os dias.

Pensar em perdas aos 30 anos depois de eu já ter perdido 2 das pessoas mais amadas da minha vida é até contraditório mas foram situações diversas.

Hoje, aos 30 anos, pela primeira vez tive medo de que minha mãe me deixe e que ela nunca tenha um neto. Pela primeira vez senti medo de envelhecer sozinha. Logo eu que sempre fui tão auto-suficiente…

Devo, certamente, agradecer pela dádiva de viver 30 anos. Tanta gente vive tão menos e conhece tão pouco do mundo, da vida, de tudo que eu amo tanto…

Mas, confesso, esses anos estão pesando… Talvez pelo amadurecimento que, aparentemente, por fim está chegando…